Elisangela Camelo

Elisangela Camelo

Método da Abelhinha - ABC da Abelhinha



Nos anos 70 começaram a utilizar "O Método da Abelhinha", eu fui alfabetizada por esse método aos 7 anos de idade. Que saudade dessa fase, da minha turminha da 1ª série ( Escola Municipal João de Camargo) e da "Tia" Iracema, já falecida, sim sou do tempo das "Tias" ! Me lembro da expectativa pelos novos capítulos da estorinha da abelhinha , dos cartazes pregados na parede.
É um método fonético , prático e eficaz , próprio para crianças pequenas , que funciona , e bem, com o imaginário infantil .

Resolvi compartilhar aqui no Blog, porque procurei por essa estorinha a um tempão, faz parte da minha vida e agora quero apresentar a minha filha, irei contar todas as noites por capítulos, quem sabe assim consigo despertar nela esse encanto pela leitura assim como foi comigo!

MÉTODO DA ABELHINHA :


Capítulo 1

Introdução dos fonemas: a, e (fechado), i, o (aberto), u.Apresentação da abelhinha, da escova mágica, do índio, dos óculos quebrados e do ursinho.


Era uma vez uma abelhinha que nasceu com asas de um lado só.
Não podia voar, nem um pouquinho. Tinha mesmo de andar. E ela ficava
tão cansada que suspirava assim: a...
(O professor emitirá o som (som aberto) e perguntará:
- Quem sabe fazer o som da abelhinha?)

A abelhinha tinha tanta vontade de voar...
Se ela pudesse voar, quantas coisas maravilhosas havia de fazer!
A abelhinha contava tudo que pensava a uma escova, amiga dela. A escova era mágica, mas a abelhinha não sabia.
Um dia, a escova encantada disse à abelhinha:
- Você ainda há de ter asas deste lado também. Espere com paciência,minha amiga!
A abelhinha nem queria acreditar em tanta felicidade. Então a escova mágica explicou:
- Eu sou uma escova mágica. Posso fazer muita coisa boa. Eu vou ajudar você.
Desde esse dia, a abelhinha pensava muito na promessa da amiga. Quando a escova via abelhinha pensando, dizia com uma voz muito rouca e misteriosa: ê...

(O professor emitirá o som (som fechado) e dirá:
- Vamos imitar a escova?)

Ou então dizia estes versinhos:
- Querida amiga abelhinha,
Vou fazer você voar.
Eu ajudo de verdade
Mas você tem de esperar.

Nessa hora, a abelhinha dava uma risada gostosa. Depois, conversava,conversava. Por fim, pedia licença para dormir um soninho, bem escondida nos pelos da escova mágica.

Todas as manhãs, a abelhinha costumava brincar perto de um mato muito alto.
Uma vez, ela viu as folhas do mato se mexerem. E no mesmo instante escutou um barulhinho assim: i ...
(O professor emitirá o som i, agindo como nas vezes anteriores)

A abelhinha olhou para um lado, olhou para outro e não viu nada. Nada,nada, nada... Começou a sentir um pouquinho de medo. Pensou em voltar correndo para junto da escova mágica. Nisto saiu do mato um pequeno índio, todo enfeitado
de penas.
A abelhinha, muito espantada, perguntou:
- Foi você que fez aquele barulhinho, foi?
- Eu mesmo! Por quê?
A abelhinha disse logo:
- Porque eu estava com medo. Mas agora já passou. Sabe de uma coisa?
Estou gostando muito de você. Quer ser meu amigo, indiozinho?
- Feito, falou o pequeno índio.
Na mesma hora, os dois combinaram um a porção de brincadeiras boas.

Uma tarde, a abelhinha e o índio brincavam no quintal de uma casa grande.
A abelhinha viu no chão uma coisa muito esquisita.
Olhou... Olhou... Tornou a olhar... Nunca tinha visto aquilo. Parecia um bicho mas não era. Que é que podia ser?
A abelhinha resolveu perguntar:
- Como é o seu nome?
Mas a tal coisa esquisita só fez um barulhinho assim: ó...

O professor emitirá o som (som aberto), agindo como nas vezes anteriores.


Foi aí que a abelhinha viu que a tal coisa esquisita eram uns óculos quebrados.
Cheia de pena, ela indagou:
- Que foi que aconteceu com você, amigo óculos? Você escorregou? Tropeçou numa pedra? Caiu de algum lugar?
Os óculos não disseram uma palavra.
Então a abelhinha achou que os óculos estavam precisando de ajuda. Para consolar o amigo, falou com muito carinho:
- Eu vou ajudar você, ouviu? Vou pedir à minha amiga, a escova mágica,que conserte você. Quer ir comigo a casa dela? Amigo índio, quer vir conosco?
O indiozinho logo aceitou o convite. Apanhou os óculos e acompanhou a abelhinha. Andaram... andaram... andaram...

De repente, que é que eles viram junto de uma árvore? Um ursinho! O ursinho era muito levado. Quis logo fazer uma travessura. Escondeu-se atrás da árvore e para assustar os amigos ele fez assim: u...

O professor emitirá o som u, agindo como nas vezes anteriores.

A abelhinha nem nada. Continuou calma. Há muito tempo ela já conhecia as brincadeiras do ursinho.
O pequeno índio deu uma corrida para agarrar o ursinho. Foi quando a abelhinha reclamou muito aborrecida:
- Ursinho! Amigo índio! Parem com essa brincadeira. Não podemos perder tempo. Os óculos quebrados estão precisando de ajuda. Temos de achar depressa a escova mágica. Você quer vir conosco, ursinho?
- Quero sim, abelhinha! Eu também gosto de ajudar, respondeu o ursinho.
A abelhinha, os óculos quebrados, o pequeno índio e o ursinho foram procurar a escova mágica.


Capítulo 2


Introdução dos sons: v-d-l-m.
Apresentação do vaga-lume, da dália, do lobo e da minhoca.


A abelhinha, os óculos, o pequeno índio e o ursinho acabaram encontrando a escova mágica.
- Boa tarde! Cumprimentou a abelhinha.
Em seguida, ela apresentou os óculos:
- Este aqui é meu novo amigo. Ele também precisa de sua ajuda. Você quer consertar meu amiguinho? Ele está todo quebrado.
Então a escova mágica olhou para os óculos e disse (ou cantou) assim:
- Eu prometo que você
Como novo vai ficar.
Eu ajudo de verdade
Mas você tem de esperar.

(O professor poderá recitar ou cantar a quadrinha, levando as
crianças a repeti-la.)

Já estava ficando noite.
- bem, falou a abelhinha. Acho que hoje vou dormir aqui mesmo. Posso?
E, sem esperar resposta, deitou-se no meio dos pelos da escova encantada.
E logo tirou um soninho.
De repente a abelhinha acordou e começou a gritar:
- Socorro! Socorro! Socorro! Por favor, me acudam!
- Que é que aconteceu com você? Perguntou o ursinho.
A abelhinha respondeu com voz de choro:
- A escova mágica está pegando fogo!
A escova, dando uma risada, explicou:
- Não é fogo não, abelhinha! É um bichinho! Ele ficou preso nos meus pelos.
- E a brasa que eu vi? Então não é fogo? Perguntou a abelhinha com os olhos arregalados.
- Brasa? Que brasa?! Você se enganou, abelhinha. O que você viu foi um bichinho que tem uma luz... Parece até uma lanterninha!
Ele também está com medo.
A escova encantada sacudiu os pelos. O bichinho saiu voando.
- Como é seu nome? Quis saber a abelhinha.
O bichinho muito afobado, só conseguiu fazer um barulhinho assim: v...

(O professor emitirá o som do v, agindo como nas vezes anteriores.)

A escova mágica explicou:
- Este bichinho é um vaga-lume, minha gente! Ele não pode falar direito, porque levou um susto muito grande. Agora ele precisa descansar um pouco. Tudo vai acabar bem, vocês vão ver.
Nesse instante o vaga-lume voou para o lado da abelhinha e ascendeu a luz pisca-pisca. A abelhinha se assustou tanto que quase desmaiou. Tratou de procurar um lugar para se esconder. E... Que foi que a abelhinha viu? Uma dália caída no chão. A abelhinha, mais que depressa, se meteu embaixo da flor. E desapareceu...
O pequeno índio, muito desconfiado com o sumiço da abelhinha, chamou bem alto:
- Abelhinha! Abelhinha!
Ninguém respondeu.
Aí o ursinho perguntou:
- Onde é que você está, abelhinha? Por favor, diga pra mim.
Nessa hora a abelhinha compreendeu que seus amigos já estavam aflitos.
Resolveu, por isso, aparecer. Mas a abelhinha se remexeu com tanta força que a dália fez um barulhinho assim: d...

(O professor emitirá o som d, agindo como nas vezes anteriores.)

O ursinho, cheio de curiosidade, indagou:
- Foi você que falou, abelhinha?
E a escova mágica, mais uma vez, explicou:
- O som que vocês escutaram, meus amigos, veio dessa flor aí. Qualquer coisa que sacuda as pétalas dessa dália, pronto: a gente ouve logo esse barulhinho.
Nesse momento, a abelhinha apareceu, ainda bastante assustada. Não conseguia dizer uma palavra.

Então, para sossegar os amigos, a escova mágica disse uma palavra mágica: QUADIDUVIVU.

No mesmo instante o susto da abelhinha passou. O barulhinho da dália parou. E o vaga-lume falou assim:
- Eu estava voando lá no meio da mata. Nisto me assustei com os olhos de um lobo. Pareciam duas velas acesas, andando de um lado para outro, na
escuridão da noite. Logo depois, escutei um uivo diferente.
Quase morri de medo!
A abelhinha não se conteve e perguntou:
- E como era esse uivo, hein?
- Não sou capaz de repetir, respondeu o vaga-lume. Já experimentei muitas
vezes, mas não consegui.
A escova explicou tudo:
- O lobo caiu numa armadilha. O laço apertou demais o pescoço dele. Por isso o uivo saiu diferente. Vocês querem saber como foi o uivo?
A escova repetiu, três vezes, a palavra mágica: QUADIDUVIVU.
Todos escutaram o uivo abafado de um lobo. Era um uivo assim: l...

(O professor encostará a língua no céu da boca e colocará a mão no pescoço para emitir o som do fazendo-o como se estivesse preso num laço. Em seguida, agirá como nas vezes anteriores.)

- Igualzinho! Gritou o vaga-lume
A abelhinha queria logo saber:
- E depois, que aconteceu?
- Tratei de fugir depressa e acabei perdido no meio da mata.
E depois? Perguntou o pequeno índio.
- Depois? Continuei voando. Voei, voei... Fiquei tão cansado que caí no chão. E que é que havia de aparecer na minha frente? Uma minhoca! Uma minhoca comprida, muito vagarosa, cheia de requebros, cheia de dengos... Uma simpatia de minhoca! Ela chegou até junto do meu ouvido e começou a fazer um barulhinho engraçado. Eu acho que ela ia me contar algum segredo! Mas não entendi nada. Ah!
Se eu pudesse descobrir o que a minhoca queria me dizer...
Naquela hora a abelhinha, o pequeno índio e o ursinho olharam para a escova encantada. Ela adivinhou o pensamento de seus amigos e disse de novo,três vezes: QUADIDUVIVU.
Mal acabou de falar a palavra mágica, saiu do chão uma fumacinha muito branca que foi subindo, subindo. Por fim, desapareceu no ar. E naquele mesmo lugar todos viram, de repente, a minhoca aparecer. A minhoca, se requebrando toda, começou logo a fazer um som engraçado, assim:
m...

(O professor emitirá o som do m, agindo como nas vezes anteriores.)

Então a escova mágica explicou:
- O que a minhoca queria vaga-lume, era ensinar a você onde ficava a casa da vovó.
- Que pena! Exclamou ele, suspirando. Eu já podia ter chegado lá. Mas de que jeito? Não fui capaz de entender o tal barulhinho...

A escova mágica achou que era hora de ajudar o vaga-lume e ensinou a ele o caminho da casa de Dona Júlia.
O vaga-lume se despediu dos amigos:
- Bem... Vocês me dão licença que eu já vou. Preciso chegar ainda hoje à casa da vovó.
E lá se foi ele, dizendo assim:
- Obrigado, meus amigos! Muito obrigado! Adeus! Adeus!


Capítulo 3


Introdução dos sons: P-R-G-T
Apresentação da Pipa , do Gato, do Rato e da Rorre.


Um dia, a abelhinha viu lá no céu uma pipa balançando pra lá, pra cá, pra lá, pra cá. Quando o vento batia na pipa com força, ela fazia um barulhinho assim:
p...

(O professor emitirá o som p, levando as crianças a repeti-lo.)

A abelhinha estava tão distraída ouvindo o barulhinho que não viu o gato Golias chegar.
- Abelhinha, que é que você está fazendo? – perguntou o gato muitocurioso.
- Ah! Eu estou sonhando, amigo Golias... Sabe o quê? Com as asas que vou ganhar deste lado. Quando isto acontecer, eu poderei voar... voar... voar...! A escova mágica me prometeu ajuda, mas disse que eu tenho de esperar.
O gato, para alegrar a abelhinha, perguntou:
- Você quer dar um passeio lá onde está a pipa?
- Quero sim! Respondeu ela bem depressa.
Então o gato puxou a pipa. A abelhinha segurou-se nela e a pipa subiu outra vez.
Golias prendeu a linha da pipa numa pedra e foi tirar uma soneca. Logo depois, o gato roncava fazendo um barulhinho assim: g...

(O professor emitirá o som do g, agindo como nas vezes anteriores.)

Perto dali, no buraco de um muro velho, vivia escondido Raque-Raque.
Raque-raque era um rato levado como quê.
Ele tinha escutado a conversa do gato e da abelhinha e achou que podia divertir-se à custa do bichano.
Brincar com a abelhinha, não: ela estava lá no alto, passeando na pipa...
Mas o gato Golias estava dormindo ali, bem perto dele. Bastava uma corridinha e pronto!
Sem fazer barulho para não acordar o bichano, Raque-Raque saiu do buraco. Deu um puxão na cauda do Golias e quis voltar depressa para a casa.Mas não conseguiu. Ficou tão atrapalhado que começou a fazer um barulhinho
assim: r...

(O professor emitirá o som do r, agindo como nas vezes anteriores.)

Com isso o gato abriu os olhos. Espiou em volta: não viu ninguém. Ele ainda estava com muito sono e acabou dormindo outra vez.
Raque-Raque aproveitou a ocasião para nova brincadeira: deu um peteleco nas orelhas do bichano e fez cócegas no focinho dele.
Depois procurou um lugar para se esconder. Não queria medir forças com o gato Golias, não! O ratinho não era tolo.
Escondeu-se atrás de uma pedra e lá ficou muito quietinho. Mas agora Golias saiu miando com raiva, querendo descobrir que é que tinha mexido com ele.
E assim a pipa ficou abandonada, balançando de um lado para outro. A força do vento foi aumentando, aumentando e a linha da pipa arrebentou.A pipa, levada pela ventania, acabou ficando presa alto de uma torre.
O vento soprava cada vez mais forte! E como batia na torre! ... E como batia na pipa! ... E como sacudia a abelhinha! ...
De vez em quando, por causa da força do vento, a torre parecia que estalava, fazendo um barulhinho assim: t ...

(O professor emitirá o som do t, agindo como nas vezes anteriores.)

Raque-Raque escutou o barulho. Olhou para cima e viu a pipa presa na torre.
O ratinho começou a pensar: “Coitada da abelhinha! Ela deve estar com medo, lá em cima. Como é que vai descer de lá? Tenho de ir agora mesmo ajudar a minha amiga”.
Raque-Raque saiu correndo. Entrou pelo buraco de um portão que só ele conhecia. Pulou um muro. Roeu uma porta. Subiu uma escada muito comprida.
Atravessou um corredor escuro. Correu, correu. Só parou no alto da torre.
Aí, Raque-Raque puxou a pipa, bem ligeiro. Mas quando viu a abelhinha teve uma surpresa. Ela não estava com medo, nem um tiquinho, e até ria muito satisfeita. Nem queria sair de lá. Foi quando o ratinho disse à abelhinha que a
escova mágica e os outros companheiros iam ficar com saudades dela. Então a abelhinha deu um pulo nas costas de Raque-Raque e voltou para junto dos amigos. Mal chegou, ela foi logo contando as coisas maravilhosas que
tinha visto.
Todos estavam gostando muito de ouvir o que a abelhinha dizia.
De repente ela ficou séria e perguntou à escova:
- Falta muito tempo pra nascerem as minhas asas novas?

(O professor poderá recitar ou cantar a quadrinha, levando as crianças a repeti-la.)


Capítulo 4


Introdução dos sons: B-S-J-N
Apresentação do Bule, do Sapo, do Jacaré e do Neném.


Num dia de sol bem quente, a abelhinha estava com muita sede. Então a abelhinha entrou numa casa. Viu em cima do fogo um bule e pensou: “Talvez eu ache água para beber, neste bule”.
A abelhinha chegou mais perto. Parecia que o bule estava resmungando.
Ela ouviu um barulhinho assim: b...

(O professor emitirá o som do b, agindo como nas vezes anteriores.)

A abelhinha começou na pensar: “Ué! Que coisa engraçada! Um bule resmungando... não pode ser. Bobagem! Com certeza eu que não ouvi direito. Vou prestar mais atenção.”
A abelhinha olhou de novo para o bule. Aí, ela compreendeu tudo: a água estava fervendo e a tampa do bule é que fazia barulho.
“Água fervendo... eu não vou beber não!” pensou a abelhinha, “Vou matar a minha sede em outro lugar.”

(O professor, para levar as crianças a usarem da imaginação, fará os alunos participarem da historia, incentivando-os a sugerir onde a abelhinha poderia ter ido beber água. (por exemplo: na pia, na bica, no copo, na xícara, numa poça
d’agua etc.) Valorizará as contribuições infantis depois, continuará a leitura.)

A abelhinha bebeu água na pia. Depois ela foi até a janela.
Olhou para fora e viu perto da lagoa um sapo de olhos esbugalhados. O sapo espiava um papel que estava no chão. Depois fechava os olhos, punha a língua de fora, balançava a cabeça devagarinho e fazia assim: s...

(O professor emitirá o som do s, agindo como nas vezes anteriores.)

A abelhinha não conseguia entender o ar misterioso do sapo, nem porque ele fazia tantas caretas.
E não foi só a abelhinha que não entendeu.
Um jacaré, que morava na lagoa, achou também o sapo bem esquisito. E perguntou:
- Porque é que você olha tanto para esse papel, amigo sapo?
Por que fecha os olhos a toda hora? Por que sacode a cabeça? Por que é que está fazendo esse barulhinho?
O sapo fingiu que não tinha ouvido nada. Há muito tempo ele queria dar uma lição no jacaré, que era muito mentiroso. Por isso continuou fazendo caretas, cheio de mistério.
Morrendo de curiosidade, o jacaré se aproximou do sapo.
Foi aí que o sapo, ligeiro como um raio, virou para baixo a folha de papel e perguntou:
- Você já viu esta figura?
Na mesma hora o jacaré balançou a cabeça dizendo que sim.
- Você viu mesmo, amigo jacaré?
Um pouco envergonhado por ter pregado uma mentira, o jacaré fez apenas
uma barulhinho assim: j...

(O professor emitirá o som do j, agindo como nas vezes anteriores.)

O sapo fingiu que não estava reparando na atrapalhação do jacaré. E fazia uma pergunta atrás da outra:
- Você já viu como ele é gordinho? Viu como é comprido? Viu que ele não tem dentes?
O jacaré, cada vez mais afobado, só conseguia repetir o barulhinho: j...
Por fim, o sapo perguntou:
- Você já falou com ele?
- J... foi só o que o jacaré disse.
- Ah! Agora tenho certeza: você está mentindo! Gritou o sapo com pose de vencedor. Você não falou com ele, jacaré! Pois se ele não sabe falar...
E rindo muito, mostrou a figura ao mentiroso.
Aí, o jacaré ficou sem jeito mesmo. Deu uma corrida e ... tchibum!
Mergulhou, bem depressa, na lagoa.
O sapo foi embora muito contente e deixou o papel no chão.
A abelhinha resolveu ver de perto a figura que estava no papel. Ela queria saber que é que era gordinho, comprido, sem dentes e não sabia falar.

(O professor, visando à maior interesse pelo desenvolvimento da história, poderá pedir aos alunos que ajudem a descobrir de quem o sapo e o jacaré estavam falando. Valorizará as contribuições dos alunos e os levará a refletir. Depois, continuará a leitura.)

A figura nada mais era do que o retrato do neném, o neto de dona Júlia.
A abelhinha achou que devia levar o retrato para casa da vovó. Mas como retrato era grande e pesado! Sozinha, ela na ia agüentar. Pensou em pedir ajuda ao vaga-lume.
No mesmo instante o vaga-lume apareceu e foi logo fazer o que a abelhinha queria. Chamou alguns companheiros para levarem, juntos, o retrato do neném à casa da vovó.
Na hora da partida, a abelhinha reclamou:
- E eu? Vocês se esqueceram de mim? Ou não sabem que eu também quero ir?
Os vaga-lumes responderam logo:
- Você também vai, abelhinha! Dê um pulo pra cima do retrato. Temos de ir embora, porque já está anoitecendo.
Os vaga-lumes voaram pelo céu afora. Voaram... Voaram...
De vez em quando ascendiam às lanterninhas para iluminar a escuridão da noite. Por fim, chegaram à casa da vovó. Ele brincava sozinho, na cama. Viu os vaga-lumes e gostou da luz que eles traziam. Mas como não sabia falar, o neném
começou a fazer assim: n...

(O professor emitirá o som do n, agindo como nas vezes anteriores.)
Os vaga-lumes não compreenderam o que o neném queria dizer. Por isso foram procurar a vovó, na sala de jantar.



Capítulo 5


Introdução dos sons: F-C-Z-X
Apresentação da Faca, do Caracol, da Zebra e do Xaveco.


A vovó estava preparando torradas. Ela cortava as fatias do pão com muita dificuldade, porque a faca estava cega. Todas as vezes que a faca roçava na casca do pão fazia assim: f...

(O professor emitirá o som do f, agindo como nas vezes anteriores.)

Quando as torradas ficaram prontas, dona Júlia quis descansar um pouco. Sentou-se na cadeira de balanço e acabou dormindo. Foi aí que os vaga-lumes entraram, voando, na sala. Sem fazer barulho, puseram, no colo da vovó, o retrato do neném e a abelhinha. Depois os vaga-lumes foram embora. A abelhinha se escondeu numa dobra da saia de xadrez de Dona Júlia.
De repente a abelhinha viu um caracol encostado no pé da cadeira e começou a pedir baixinho:
- Caracol, bota o “chifre” de fora.
- Caracol, bota o “chifre” de fora.
O caracol, nem nada!
“Será que o meu amigo está zangado?” pensou a abelhinha. “Ou quem sabe ele não me ouviu direito? Talvez esteja dormindo...” Nisto o caracol, lá dentro de sua casa, fez assim: c...

(O professor emitirá o som do c, agindo como nas vezes anteriores.)

A abelhinha ouviu o som que o caracol fazia e ficou um pouco espantada.
Agora é que ela não estava entendendo nada.
Nesse momento o caracol pôs a cabeça de fora.
A abelhinha, muito curiosa, perguntou:
- Foi você que fez o barulhinho que eu ouvi ainda há pouco, amigo caracol?
- Fui eu, sim, respondeu ele muito alegre. Às vezes eu gosto de falar sozinho.... É que tenho este costume, sabe? Mas... Por que é que você me chamou abelhinha?
- Eu? Ah! Veja só, caracol, não é que com a nossa conversa quase me esqueço do que queria dizer?
- Pois então diga logo, minha amiga. Não faça cerimônia...
- Você costuma brincar com o neném? Perguntou a abelhinha.
O caracol respondeu:
- Brinco com ele sim, minha amiga. Mas no outro dia, fiquei muito zangado com neném. Imagine que ele jogou os óculos da vovó pela janela. Os óculos caíram no chão, lá no quintal.
- E a vovó? Quis logo saber a abelhinha.
- A vovó, respondeu o caracol, pediu à lavadeira que apanhasse os óculos.
A lavadeira procurou por todos os cantos do quintal e não achou nada. Os óculos tinham desaparecido. Um verdadeiro mistério.
A abelhinha interrompeu o caracol para dizer:
- Óculos quebrados da vovó, no quintal... Depois sumiram? Mistério... É isso mesmo! São os óculos que eu encontrei outro dia...
A abelhinha ficou com muita pena da vovó.
Ela chamou, então, três vezes a escova mágica. Na mesma hora a escova apareceu.
- Que é que você quer de mim, abelhinha? Perguntou a escova.
_ Ah! Minha grande amiga! Suspirou a abelhinha. Você prometeu ajudar os óculos quebrados, não foi? E disse que eles tinham de esperar um pouco. Acontece que esses óculos agora mesmo, eu ficaria tão contente...
- Você é de fato uma boa abelhinha, falou muito satisfeita a escova encantada. Por isso vou fazer o que você me pediu.
A escova disse, três vezes, a palavra mágica: QUADIDUVIVU. E logo apareceram os óculos de Dona Julia, já consertados.
- Obrigada, obrigada! Agradeceu muito feliz a abelhinha.
A escova mágica tratou de ajeitar os óculos no nariz da vovó e foi embora, porque ainda tinha o que fazer.
A abelhinha e o caracol ficaram calados.
De repente a abelhinha perguntou:
- Que é aquilo ali, caracol?
- Aquilo? Ah! Ah! Aquilo... Você não está vendo, abelhinha? É um brinquedo do neném: a zebra ziguezague.
- Ziguezague?! Que nome engraçado! Disse a abelhinha.
- É que essa zebra é de corda e só anda fazendo ziguezague, explicou o caracol. Vou mostrar a você como é, abelhinha.
O caracol deu um empurrão, de leve, na zebra. Ela ainda tinha um pouco de corda e começou a andar em ziguezague, fazendo um barulhinho assim: z...

(O professor emitirá o som do z, agindo como nas vezes anteriores.)

A zebra Ziguezague andou, andou... Até a corda acabar.
Nessa ocasião a abelhinha, que estava olhando para outro brinquedo, perguntou ao caracol:
- E aquele lá, quem é?
- Aquele?! Aquele é Xaveco, o boneco de molas mais travesso do mundo!
Lá no canto do quarto, Xaveco começou a pular, fazendo um som assim: x...

(O professor emitirá o som do x, agindo como nas vezes anteriores.)

Nisto o caracol avisou a abelhinha:
- O neném está choramingando. A vovó acaba de acordar.
- Caracol, veja só como a vovó ajeita os óculos no nariz, falou baixinho a abelhinha. Ih! Agora ela começou a rir para o retrato do neném. Repare bem! Ela se levantou caracol! Pra onde será que ela vai?
- Dona Julia está indo para o quarto do netinho, respondeu o caracol.
- Uf! Que susto que eu levei! Reclamou a abelhinha. O melhor é a gente ir para o outro lado da sala. Nada de ficar na passagem, amigo caracol. É muito perigoso!
Nessa hora, o neném choramingou de novo. Vovó pôs Xaveco perto dele, na caminha azul e começou a dizer:
- Fique bem quietinho,
Xaveco endiabrado,
deixe o meu netinho
Dormir sossegado.

(O professor poderá cantar com uma música de ninar, ou então recitar esta quadrinha, levando as crianças a repeti-la.)


Capítulo 6


Introdução dos sons: nh-ch-lh
Apresentação da harpa.


I. (nh)
A abelhinha e o caracol entraram no quarto do neném.
Ele estava dormindo na sua caminha azul.
A abelhinha foi logo perguntando o caracol:
- Como é o nome daquilo que está ali?
- É uma harpa de brinquedo, respondeu o caracol.
- Para que serve uma harpa? Tornou a perguntar a abelhinha.
- A harpa serve para tocar música, abelhinha! Ela é da família do violão.
Basta à gente puxar uma corda e pronto: ouve logo um som bonito.
- Como você é sabido, caracol! Eu nunca tinha visto uma harpa. Depois, muito entusiasmada, a abelhinha gritou:
- Eu quero ouvir a harpa tocar! Eu quero ouvir agora mesmo!
A abelhinha fez uma algazarra tão grande que acordou o neném. A cama dele era muito baixinha: ficava bem perto do chão. O neto de Dona Julia desceu da cama devagarinho e começou a engatinhar, muito contente. Ele engatinhou até ficar ao lado da harpa de brinquedo, assim:
(O professor, em silêncio, escreverá no quadro o dígrafo nh.)

Então, o neném puxou as cordas da harpa e os dois juntos, o neném e a harpa, fizeram assim: nh...
(O professor, aprontando o dígrafo escrito no quadro, pronunciará o som correspondente, uma ou mais vezes.
Depois, levará as crianças a repetirem este som.)

A abelhinha gostou tanto do som nh que começou a bater palmas.

(O professor pedirá às crianças que repitam o som que o neném e a harpa fizeram juntos. Em seguida, mostrará os cartões do neném e da harpa (do alfabetário mural), colocando-os um ao lado do outro e pedirá aos alunos que também batam palmas para o neném e a harpa.)

O neném ouviu as palmas da abelhinha. Largou a harpa e começou também a bater palminhas. Nesse instante todos escutaram o barulho dos chinelos da vovó. A abelhinha e o caracol procuraram logo uma porta para sair. Eles tinham tanto medo de levar uma pisadela... Dona Julia entrou no quarto e viu o neném engatinhando. Com muito carinho, a vovó pôs o neto no colo e foi passear com ele no jardim.
A harpa ficou esperando que o outro amigo aparecesse para brincar com ela.

II. (ch)
Um, dia, o caracol foi visitar o neném. Ele não estava no quarto. O caracol viu a harpa de brinquedo e quis tocar uma música. O caracol ficou bem perto da harpa, assim:

(O professor, em silêncio, escreverá no quadro o dígrafo ch.)

Então o caracol puxou as cordas da harpa e os dois juntos, o caracol e a harpa, fizeram um som igual ao som do Xaveco, assim:

(O professor, apontando o dígrafo escrito no quadro, emitirá o som correspondente, levando as crianças a repeti-lo, uma ou mais vezes.)

Nesse momento Xaveco apareceu na porta e reclamou:
- Não! Isto não! Este som é meu! Eu sou o dono dele. Não vou deixar ninguém tomar o que é meu. Era só o que faltava... Não sei por que o caracol e a harpa querem imitar o som que eu gosto de fazer. Por que será?
O caracol continuou puxando as cordas da harpa sem dar importância ao boneco de mola. Parecia até que nem era com ele que Xaveco estava falando.
Então o boneco, muito zangado, disse ao caracol e à harpa:
- Acho melhor vocês pararem com já com este som. Eu não estou gostando disso nem um pouquinho.
Nesse instante a abelhinha entrou no quarto do neném. Ela queria ver a harpa mais uma vez. Ouviu as reclamações do boneco e falou com voz muito meiga:
- Calma Xaveco! Você não tem razão para fazer tanto barulho... Não é nada do está pensando. Você quer me ouvir? Você vai compreender tudo, agora mesmo.
A delicadeza da abelhinha conseguiu logo acalmar o boneco de mola. Com muito jeito, ela começou a explicar:
- Sabe de uma coisa, Xaveco? Quando o caracol e a harpa tocam juntos, os dois fazem um som igual ao que você faz. É só isso! O caracol e a harpa não querem tirar nada de ninguém. Pode ficar sossegado, meu amigo!
Nessa hora, o caracol puxou mais uma vez as cordas da harpa.
E qual foi o som que o caracol e a harpa fizeram juntos?

(O professor apontando de novo o dígrafo escrito no quadro levará as crianças a repetir o som correspondente.)

O boneco de mola, nessa altura, já não estava mais aborrecido. Por isso, ele pulou de alegria, bateu palmas e virou cambalhotas. De repente... zás... Xaveco deu um pulo e saiu pela janela do quarto. O caracol quis ver o que o boneco de molas estava fazendo lá fora. Largou a harpa e saiu do quarto se arrastando.

(O professor pedirá a opinião das crianças sobre o que Xaveco estaria fazendo. Valorizará cada idéia apresentada dizendo que poderia mesmo ter sido aquilo. Depois escolherá uma das idéias para terminar a historia, justificando que Xaveco estava realmente fazendo isso. Em seguida, continuará a leitura.)

A harpa ficou, outra vez, esperando que um amigo aparecesse para brincar com ela.

III. (lh)
Uma vez, a escova encantada foi ao quarto do neném. A harpa estava sozinha. A escova teve pena dela e pensou: “Eu preciso ajudar a minha amiga: Ah! Já sei o que vou fazer...” A escova repetiu, três vezes, a palavra mágica: QUADIDUVIVU.
No mesmo instante, apareceu ao lado da harpa uma caixa de papelão deste tamanho, embrulhada num papel dourado.
A escova abriu a caixa e falou:
- Aqui está um presente. Amiga harpa! Eu acho que você vai gostar muito.
A escova mágica disse isto e foi embora. Então o presente começou a se mexer: primeiro devagarinho, depois depressa... De repente, deu um pulo e zás... saiu da caixa.
Que é que vocês pensam que a escova mágica deu de presente à harpa?
(O professor, valendo-se da imaginação das crianças, levará aos alunos e participarem da historia, incentivando-os a responder à pergunta, como na vez anterior. Valorizará as idéias apresentadas dizendo que poderia mesmo ter sido aquilo.Em seguida continuará a história.)

O presente era um lobo de brinquedo: um lobo de pelo bonito, olhosbrilhantes e língua vermelha. O lobo ficou logo juntinho da harpa, assim:

(O professor, silêncio, escreverá no quadro o dígrafo lh.)

O lobo puxou as cordas da harpa e os dois juntos, o lobo e a harpa, fizeram
assim: lh...

(O professor, apontando o dígrafo escrito no quadro, agirá como nas vezes anteriores.)

O lobo tocou harpa durante muito tempo.
De repente ele disse à harpa:
- Agora, vou descansar um pouco, minha amiga. Mais tarde eu brinco de novo, esta bem?
O lobo entrou na caixa de papelão. E a harpa ficou quietinha esperando que o lobo voltasse.
Capítulo 7


Apresentação da abelhinha com as novas asas.
Introdução dos sons: Ah! Oh!


Um dia, a abelhinha estava no jardim da casa de Dona Julia.
De repente ela ouviu um barulho. Parecia que o barulho vinha da janela do quarto do neném. A abelhinha olhou para lá e ficou assustada. Quis falar e não pôde. Quis correr e não saiu do lugar. Quis pedir ajuda e não viu ninguém. Quis chamar a escova mágica e não conseguiu. Que teria a abelhinha visto na janela do quarto do neném?

(Se o professor desejar poderá, visando à participação das crianças, levá-las a se manifestarem sobre o que a abelhinha teria visto na janela do quarto do neném. Valorizará as idéias apresentadas, dizendo que poderia mesmo ter sido aquilo o que a abelhinha viu. Em seguida continuará a história.)

O que a abelhinha viu foi à harpa de brinquedo. A harpa estava bem na beira da janela.
“Que perigo!” pensou a abelhinha. “A harpa pode cair a qualquer momento. Ela vai ficar em pedaços.”
Nisso o vento começou a balançar a harpa de um lado para o outro. De repente o vento empurrou a harpa com tanta força que ela despencou da janela.
A abelhinha fechou os olhos e sentiu seu coração bater assim: tuque-tuque, tuque-tuque, tuque-tuque. As pernas da abelhinha começaram a tremer e a cabeça a rodar, rodar... Cada vez mais aflita, a abelhinha pensou: “Não quero nem ver como
ficou minha amiga harpa. Ela deve estar toda espatifada. Que pena!”
A abelhinha não pôde resistir à curiosidade: foi abrindo os olhos devagarinho, devagarinho... Primeiro abriu um olho, depois abriu o outro... Olhou para o chão, olhou para o lado, olhou para frente e não viu a harpa, nem inteira, nem
quebrada. A abelhinha pensou: “Como é que a harpa pôde desaparecer assim? Que coisa esquisita!... Eu tenho de descobrir o que foi que aconteceu.”

Nesse instante o vento soprou com mais força ainda. E a abelhinha tornou a ouvir um barulho vinha de uma árvore, perto da janela do quarto do neném.
A abelhinha olhou para lá e... Sabe o que ela viu? A harpa pendurada num galho de árvore, presa por uma das cordas. Estava cai... não cai... A abelhinha via tudo lá do chão e queria ajudar a harpa. Mas a árvore era tão alta...
Nesse instante a abelhinha quis tanto voar! Ela batia as asinhas... Mas só tinha asas de um lado... Não saía do chão!
A abelhinha fechou os olhos e começou a pensar “Ah! Como seria bom se as minhas asas já tivessem nascido!... Eu iria voando pra junto da harpa e garanto que arranjava logo um jeito de socorrer minha amiga.”
Foi aí que a abelhinha ouviu três vezes: QUADIDUVIVU! Pensou logo: “A escova mágica está aqui! Ela vai salvar a harpa.”
Nessa hora ela teve uma grande surpresa. Não é que ela, a abelhinha, estava lá em cima, no galho da árvore, juntinho da harpa? Como é que tinha chegado até ali? Ela não podia voar...

Justamente nesse momento, a abelhinha ouviu a escova mágica dizer:

- Você agora, abelhinha,
Tem tanto o que queria.
Mereceu bem este prêmio:
Voe, agora, voe todo dia.

(O professor poderá recitar ou cantar a quadrinha, levando as crianças a repeti-la. Depois continuará a leitura.)

Então a abelhinha entendeu tudo: já tinha quatro asas. Agora podia voar para onde quisesse. A abelhinha quase chorou de alegria. Mas não levou o tempo todo só pensando na sua felicidade. Lembrou-se também de que a harpa que estava
presa no galho da árvore. A harpa deu um pulo e zás... Caiu num canteiro de folhagens macias. A abelhinha foi pra lá voando... Voando... Que delícia!
A abelhinha olhou bem para a harpa e ficou muito espantada: a harpa não estava quebrada, nem um pouquinho. Não tinha mesmo um arranhão. Então a abelhinha, bem junto da harpa, fez assim: ah!

(O professor escreverá, no quadro, a interjeição ah! E pronunciará, num tom de surpresa, cheia de alegria, o seu respectivo som. Fará uma pausa e, em seguida, apontando a palavra, perguntará às crianças:
- Como foi mesmo que a abelhinha fez quando viu a harpa sem um arranhão? Após a resposta das crianças continuará a leitura.)

A abelhinha estava muito feliz. Ela falava tão alto, fazia tanto barulho, que chamou a atenção de indiozinho e dos óculos. Eles estavam brincando ali perto e vieram depressa. Quiseram logo saber por que a abelhinha fazia aquela algazarra!
A abelhinha contou o que havia acontecido com a harpa, mas fez segredo das asas novas. Ela queria que os amigos descobrissem sozinhos o motivo da sua grande alegria.
Os óculos não podiam acreditar no que acabavam de ouvir. Resolveram ver a harpa, bem de perto. E ficaram admirados: a harpa estava mesmo perfeita.
Então os óculos, juntinhos da harpa, fizeram assim: oh!

(O professor escreverá, no quadro, a interjeição oh! E pronunciará, num tom de admiração, o respectivo som.
Depois agirá de maneira idêntica à vez anterior.)

Nessa hora a escova mágica anunciou:
- Vou dar, lá em casa, uma festa de arromba. Uma festa que vai durar três dias e três noites!
Perto da harpa o ursinho e a minhoca disseram quase ao mesmo tempo:
- Hum... Será mesmo verdade?
O indiozinho quis logo saber:
- Festa? Por causa de quê?
A abelhinha achou que devia responder:
- Por minha causa, indiozinho. Quer ver uma coisa?
E, muito feliz, a abelhinha começou a voar em voltas dos amigos.
Foi quando o indiozinho gritou:
- Que maravilha! A abelhinha já pode voar minha gente!
A abelhinha, muito prosa, voava sem parar.
A escova olhou para a abelhinha e pensou: “Ela bem que merece esta felicidade, bem que merece...”

(Se o professor julgar oportuno, pedirá então às crianças que digam por que a escova achou que a abelhinha mereceu ganhar asas. Deverá levá-las, do modo mais natural possível, a citar as qualidades da abelhinha. Depois continuará a leitura.)

- O melhor é irmos andando, disse a escova mágica. Temos de preparar a festa: arrumar a casa, fazer os doces, arranjar música. Vamos precisar que todos ajudem e... Não podemos perder tempo.
O indiozinho disse logo:
- Pode contar comigo!...
Então a escova mágica falou:
- Vocês querem convidar os outros amigos? E pedir que eles venham também ajudar? Essa festa tem que ser mesmo de arromba. Uma festa como ninguém ainda viu. Uma festa para a abelhinha!
E então a abelhinha gritou:
- Esta festa é da escova também! Viva a escova!

(O professor poderá levar as crianças a comemorar também o nascimento das asas novas da abelhinha.)

Fim



BIBLIOGRAFIA:
SILVA, Almira Sampaio Brasil da; PINHEIRO, Lúcia Marques; CARDOSO, Risoleta Ferreira. Método Misto de Ensino da Leitura e da Escrita e História da Abelhinha – Guia do Mestre. 7. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973.

Cartazes Originais de Sala de Aula

























ABC para colorir















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Personalização por HR Personalização de Blogs